fbpx
Fenajufe é destaque na mídia após protocolar ofício no STF e exigir de Fux  o envio  do PL da recomposição

Fenajufe é destaque na mídia após protocolar ofício no STF e exigir de Fux o envio do PL da recomposição

Federação aperta o cerco e exige que o ministro Fux encaminhe o projeto de lei da recomposição dos servidores do PJU 

A declaração do presidente Bolsonaro na última semana de que não haverá nenhum tipo de reajuste em 2022 para o funcionalismo teve repercussão midiática e causou indignação ainda maior em todo conjunto de servidoras e servidores.

Entidades representativas das várias categorias do serviço público entre elas, a Fenajufe, foram procuradas pela mídia para expressarem sobre o tema que desde início do ano tem figurado como uma das  principais pautas nos veículos de comunicação.

Entrevistado pelo jornal Correio Braziliense, o coordenador de comunicação e imprensa Charles Bruxel, falou da luta da Fenajufe pela recomposição salarial ainda em 2022 e da constante mobilização empreendida pela categoria do PJU. 

Charles ressaltou a movimentação da Federação e sindicatos de base na construção de uma possível greve. “A gente também está tentando articular uma data nacional para ver se a gente consegue fazer um grande movimento de greve. Alguma coisa que coloca pressão. “A gente vai chegando num limite e ninguém quer fazer greve, mas é a ferramenta que se apresenta para os servidores”. (LINK AQUI)

Sobre o propalado reajuste linear de 5% e agora descartado, o dirigente afirmou que a Fenajufe já via com desconfiança esse discurso governista e que não se pode dar crédito no governo que sequer instalou mesa de negociação para tratar da pauta de reivindicações dos servidores. “O governo não dialoga e inventou a história de que ia dar os 5%. Então, a gente continua batendo na tecla dos 19,99%”, ressaltando o índice unificado que vem sendo defendido pelos servidores públicos federais desde o início do ano. “Ninguém considera que a gente está há anos sem nenhum aumento”, destacando a falta de reposição inflacionária dos servidores.

Para a CNN Brasil, a coordenadora geral Lucena Pacheco disse que “O STF tem autonomia suficiente para pautar o reajuste dos servidores federais do Judiciário e não precisa ficar subordinado ao governo federal, que já demonstrou descaso com todos os trabalhadores brasileiros”,. Veja matéria ( aqui)

Em ofício protocolado  na sexta-feira (10) a  Fenajufe cobra que o ministro Luiz Fux elabore um projeto de lei próprio com a proposta de reajuste para todos os servidores do Judiciário federal.

“Exigimos que o ministro Luiz Fux tenha uma posição diferente do governo e que encaminhe o projeto para a recomposição salarial dos servidores públicos. Esperamos que o STF não se alinhe à política de congelamento salarial", reforçou a dirigente.

Em matéria do Jornal Valor Econômico,a publicação ressalta que a Federação argumenta que acumula perdas inflacionárias de quase 20% somente de 2019 a 2021, durante o governo Bolsonaro e que, se for confirmada uma alta de cerca de 8,89% neste ano, conforme previsto no último Boletim Focus, do Banco Central, as perdas ultrapassariam os 30%. (LINK AQUI)

A Fenajufe foi destaque também em matérias dos  sites redebrasilatual.com.br e jgmpublicuidade.com.br  

As perdas inflacionárias acumuladas no governo Bolsonaro já ultrapassam 19,99%, índice acumulado somente para o período de 2019/2021. Considerando que desde janeiro de 2019 até abril de 2022, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulou 25,73%. E, segundo a previsão do Boletim Focus do Banco Central, a inflação deve ser de 8,89% em 2022.

Se confirmada essa previsão, acumulará, de janeiro de 2019 até dezembro de 2022, o elevadíssimo índice de 30,66%.

E é por esse índice atualizado que a Federação agora está lutando. Na tarde desta quinta-feira (9) foi protocolado ofício no Supremo Tribunal Federal (STF) e na Procuradoria Geral da República (PGR) onde a Federação requer o reajuste atualizado com o total de perdas inflacionárias.

Reunião Ampliadinha ocorrida dia 08, deliberou pela intensificação das mobilizações com foco no STF e um calendário de lutas. Várias atividades estão programadas que culminará com apagão no PJU no mês de agosto.  Confira

15/06 – "Dia Nacional de Lutas" com mobilizações e paralisações na luta pela revisão salarial. Atos nos Estados. Soltar uma nota dura em relação ao tema e cobrando Fux e Bolsonaro, tratando, inclusive, dos quinquênios (PEC 63/2013);

21 e 22/06 – Dias de mobilização nacional com foco no STF, pela revisão salarial, cobrando do presidente do Supremo o envio de projeto de recomposição das perdas da categoria, a qual, com a previsão inflacionária de 2022, já chegaria a 30,66%. Neste dia teremos julgamento no pleno sobre pagamento de precatórios. Pressão virtual também por e-mails.

Julho – realização de atividades (faixaço, pressão nos e-mails, ofícios dos sindicatos pelo Brasil cobrando os Ministros do STF, cobrar reuniões/audiências com todos os Ministros do STF) e realizar assembleias com aprovação do “estado de greve” da categoria, e indicação de paralisação em 03/08.

03/08 – Apagão do Judiciário com paralisação pela recomposição das perdas, cobrando o envio do STF de projeto ao Congresso Nacional.

 

Joana Darc Melo

Pin It

afju fja fndc