fbpx

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

banner tv fenajufe

banner radio fenajufe

banner tv fenajufe

banner fenacast

Movimentos sociais preparam mobilização para o Fórum Social Palestina Livre

Reunidas em São Paulo, entidades preparam caravanas de todo o país para evento que será realizado de 28 de novembro a 1º de dezembro em Porto Alegre

“O Fórum Social Palestina Livre (FSPL) será uma manifestação que fará ecoar pelo planeta a afirmação da defesa da soberania e da independência do povo palestino frente à política de terrorismo de Estado praticada pelo governo de Israel. Expressará a determinação dos povos de varrer com a opressão do colonialismo, do racismo e do neoliberalismo e de construir um mundo novo, promovendo a justiça, a igualdade e a soberania dos povos”. Com esta determinação, dirigentes da Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) se reuniram na tarde desta quinta-feira (25), na Federação dos Bancários de São Paulo (Fetec) para ultimar os preparativos do evento, que será realizado em Porto Alegre-RS, de 28 de novembro a 1º de dezembro.

Integrada pelas principais entidades populares do país, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) e União Nacional dos Estudantes (UNE), a CMS está empenhada em organizar caravanas de todo o país rumo à capital gaúcha, viabilizando transporte e alojamentos solidários para garantir a “plena e massiva expressão da solidariedade”.

Na mesma data do evento – 28 de novembro, quando os palestinos relembram a Nakba (catástrofe), política de expulsão e extermínio implementada por Israel a partir de 1948, os chefes de governos do mundo estarão debatendo o ingresso da Palestina como Estado observador da Organização das Nações Unidas (ONU). “Será uma excelente oportunidade para fazer chegar até a entidade as vozes dos povos do mundo, que se levantam em solidariedade ao povo palestino contra a opressão e a barbárie, contra os desmandos a que vem sendo submetido pela política segregacionista, de apartheid, ditada pelo Estado de Israel”, destacou Rosane Bertotti, da direção da CMS e da CUT Nacional.

Como lembrou o secretário geral da Federação Árabe Palestina do Brasil (Fepal), Emir Mourad, a ONU já emitiu mais de 200 declarações em que coloca Israel à margem do direito internacional, em função dos sucessivos crimes e violações que têm praticado contra o povo palestino. “A partir de 1948 foram expulsos por Israel mais de 700 mil palestinos, 60% da população de então. Hoje já são mais de cinco milhões de refugiados palestinos cadastrados pela ‘ONU, famílias espalhadas pelo mundo”, lembrou Emir, frisando que “a origem do atual problema não está na Bíblia nem no Alcorão, mas na Declaração Universal dos Direitos Humanos, totalmente desrespeitada pelos sionistas”.

Para ler essa matéria completa, clique aqui.

Fonte: CUT

Foto: Leonardo Severo/CU


Pin It

afju fja fndc