Fenajufe - BA: Sindjufe participa de Ato em homenagem a Marielle no FSM 2018

BA: Sindjufe participa de Ato em homenagem a Marielle no FSM 2018

 

 

 

Sindjufe (BA)

O último dia 15/03 foi marcado por uma série de atos em todo o país que expressaram o repúdio e a indignação ao assassinato da vereadora Marielle Franco e do seu motorista Anderson Gomes. Em Salvador, não foi diferente. Cerca de 2.000 pessoas entre estudantes, professores, entidades, sindicatos e movimentos sociais realizaram na manhã desta quinta-feira um ato de protesto na UFBA (Universidade Federal da Bahia) dentro do Fórum Social Mundial 2018. O evento foi organizado pela Tenda Sem Medo participante também do FSM 2018.

No ato, palavras de protesto e pedidos de investigação rigorosa foram expostas e não parou por aí. No Fórum, todas as mesas do dia, em todas as tendas inclusive a “Tenda da Unidade”, a qual o SINDJUFE-BA participa fizeram homenagem a Marielle. E as homenagens ainda seguem hoje (16) pelo interior do estado. Em Feira de Santana, a “Vigília em memória a Marielle” será realizada às 17h, no estacionamento da prefeitura.

O SINDJUFE-BA divulgou em seu site e em todas as suas redes sociais, uma nota em repúdio ao assassinato de Marielle e conta com a resistência de todos e todas para continuar a lutar por melhores condições de vida e por mais justiça social. Não calarão as nossas vozes!

 

Saiba mais:

- 312 defensores de direitos humanos foram mortos no mundo só em 2017. A Colômbia e o Brasil são responsáveis juntos por 73,3% da estatística.

- Defensores de direitos humanos não defendem bandidos. Defendem o povo pobre e negro que é exterminado a cada dia, nas periferias, tendo ou não tendo, cometido algum crime.

- A palavra "bandido", vem do termo espanhol "banido", aquele ser que era excluído do establishment. Esse não possuía direito algum, sua vida não valia quase nada.

- Importante lembrar que, as FARC na Colômbia entregaram as armas em 2016 como parte de um acordo, mas o governo não cumpriu a outra.
- Assim como lá, no Brasil as forças oficiais são as responsáveis pela maioria das mortes dos ativistas.

- Conhecer história e linguagem é essencial para entender o lugar que cada um ocupa na sociedade, e por quê.

 

Entenda o caso:

Marielle era socióloga e foi eleita vereadora da Câmara do Rio com 46.502 votos. Ela era formada pela PUC-Rio e fez mestrado em Administração Pública pela UFF (Universidade Federal Fluminense).

Foi escolhida, há duas semanas, como relatora da Comissão da Câmara de Vereadores do Rio, criada para acompanhar a atuação das tropas militares na Intervenção Federal na área de segurança do Rio, à qual era crítica.

No último sábado (10), Marielle denunciou uma ação de PMs do 41º BPM na Favela de Acari. De acordo com moradores, no último sábado, os PMs invadiram casas, fotografaram suas identidades e aterrorizaram populares no entorno. “O 41° Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari”, disse a vereadora na publicação.

A vereadora Marielle Franco (PSOL/RJ) e o motorista Anderson Gomes, foram assassinados a tiros, na noite desta quarta-feira (14), no bairro do Estácio, no Centro do Rio de Janeiro após voltarem de um evento sobre mulheres negras.  Outra assessora da vereadora foi atingida, mas teve ferimentos leves e sobreviveu.