Audiência Pública na Câmara debate ataques a servidores públicos federais

Nos últimos anos o serviço e os servidores públicos brasileiros se viram ameaçados pela crescente escalada de ataques patrocinados por um Congresso extremamente atrelado aos interesses do alto empresariado nacional e à elite financeira mundial. Dispostos a proporcionar cada vez maiores lucros à iniciativa privada, depois do ataque aos trabalhadores com a reforma trabalhista que tem provocada a demissão de trabalhadores em todo o país, agora o alvo são os servidores públicos.

Organizados, governo, Congresso, STF e empresários intensificaram os ataques a partir da aprovação da EC-95, que restringiu os investimentos públicos e agravou a desidratação do atendimento à comunidade em diversos setores como Saúde, Educação, Programas e Assistência Social.

Na terça-feira, 12, por iniciativa do deputado Marcon (PT/RS), a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público (CTASP) da Câmara dos Deputados realizou audiência pública pra discutir “as ameaças do atual governo aos direitos dos servidores públicos federais”. Convidados, os coordenadores da Fenajufe, Adriana Faria e Saulo Arcangeli, representando ainda o Fonasefe - Forum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais -  abordaram aspectos dos projetos de lei que tramitam nas casas legislativas e ameaçam os servidores. Da audiência participaram ainda os coordenadores Edmilton Gomes e Vicente Sousa, plantonistas da semana.

Adriana Faria lembrou que os ataques aos direitos dos servidores públicos é um ataque à sociedade, à medida que enfraquece o poder de resistência deste trabalhador frente aos desmandos do poder político. Enfática, a dirigente deixou claro que o servidor público é um trabalhador como os demais, longe de ser privilegiado. Para ela, privilégio têm aqueles que estão num patamar muito elevado, que trabalham pouco e ganham muito.

A participação da coordenadora pode ser vista no vídeo abaixo.

 

 

Já o coordenador Saulo Arcangeli abordou o histórico dos projetos postos que atacavam os servidores públicos. Ele lembrou que também nos governos petistas esses ataques aconteceram e agora foram potencializados. O coordenador alertou quanto aos projetos que tentam regulamentar o direito de greve e que escondem, na verdade, a iniciativa de acabar com essa conquista dos trabalhadores.

As considerações do dirigente na audiência pública podem ser vistas a seguir: