Fonasefe inicia calendário de lutas e mobilizações aprovado durante Reunião Ampliada


O Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos - Fonasefe deu início às ações previstas no calendário de lutas e mobilizações resultantes da Reunião Ampliada do Fonasefe, que ocorreu entre os dias 4 e 6 de agosto, em Brasília. O Relatório da Reunião Ampliada foi pauta de encontro na tarde desta quarta-feira (09), na sede do Andes. Além de dar início às demandas programadas, foi feita ainda uma avaliação do encontro, que reuniu cerca de 300 pessoas, de diversos estados brasileiros.

Presentes na reunião de avaliação, os coordenadores (as) da Fenajufe Adriana Faria (Jurídico-Parlamentar), Vicente de Sousa (Comunicação) e Marcelo Melo (Finanças - em exercício) ressaltaram a importância do plano de ações aprovado, como forma de enfrentamento às reformas e iniciativas parlamentares que retiram direitos dos servidores públicos e dos trabalhadores brasileiros.

“Foi um encontro muito satisfatório, com bastante representatividade e uma composição de mesa plural e qualificada. Tivemos a participação de 41 delegados da Fenajufe no encontro e aprovamos encaminhamentos imprescindíveis para a categoria”, afirmou Vicente Sousa, que coordenou a mesa que debateu as Reformas e seus Impactos no Serviço Público.

Vicente reiterou o posicionamento contrário da categoria frente às reformas em curso no país e alertou para a manipulação de dados e indicadores por parte do governo e da grande mídia. “Há uma grande manipulação, inclusive com a divulgação de dados falsos sobre o real custo da folha de pagamento dos servidores públicos, por exemplo. Precisamos fazer o enfrentamento ponto-a-ponto destes dados junto à sociedade”, ressaltou Vicente Sousa.

A coordenadora Adriana Faria também ressaltou o caráter emergencial dos apontamentos aprovados e lembrou que o desafio agora é a sua implementação. “Foi um encontro bastante produtivo, com o apontamento de medidas e deliberações importantes para auxiliar os servidores públicos neste momento de grande dificuldade. O desafio agora é conseguirmos fazer o enfrentamento para contrapor e reverter esse ataque ao funcionalismo público”, afirmou Adriana Faria, que parabenizou ainda a composição de gênero da mesa e lembrou que, na maioria das vezes, encontros semelhantes não costumam garantir a participação paritária entre mulheres e homens.

Força-tarefa - O coordenador Marcelo Melo defende que as medidas aprovadas sejam rapidamente implementadas para impedir maiores danos aos direitos dos servidores públicos e dos trabalhadores em geral. “Os ataques aos direitos dos servidores estão ocorrendo de maneira muito agressiva e em pouco tempo. Diante disto, precisamos que nossas lideranças sindicais encontrem formas rápidas de mobilização, inclusive com ampla circulação de materiais explicativos para fazer o enfrentamento dessas reformas. Este material precisa circular em todo o país, inclusive em locais de maior circulação de pessoas, além dos departamentos e repartições públicas”, afirmou o coordenador.

Encaminhamentos – Durante a reunião foi aprovada, dentre outras ações, o texto da Carta que será enviado às centrais sindicais reafirmando a necessidade de construção de uma nova GREVE GERAL no segundo semestre de 2017.

Na ocasião, também foram criadas comissões de trabalho, dentre elas a Comissão que irá elaborar material para contrapor as reformas e o PLS 116/17, que dispõe sobre a perda do cargo público por insuficiência de desempenho. A comissão será composta por representantes da Fenajufe, CONDSEF, FASUBRA e FENASPS. A primeira reunião do colegiado foi agendada para esta quinta-feira (10), às 15H.