Fenajud e Fenajufe encaminham ações ao fim do Encontro Nacional Saúde Qualidade de Vida no Trabalho

 

 

 

Na segunda fase dos trabalhos do I Encontro Nacional Saúde Qualidade de Vida no Trabalho realizado na sexta-feira, 24, a mesa diretiva dos trabalhos foi composta por dirigentes das duas entidades organizadoras. Pela Fenajud, a diretora de Finanças Maria José Silva e o coordenador regional do Nordeste, Alexandre Lima Santos e pela Fenajufe, os coordenadores Alisson Ribeiro e Adriana Faria.

Além de representantes de diversos sindicatos dos trabalhadores do Judiciário, tanto federal quanto nos estados, pela Fenajufe ainda participaram os coordenadores  Edmilton Gomes, Elcimara Souza, Gerardo Alves  e Mara Weber.

No primeiro painel, a psicóloga Daniela Yglezias de Castro Pietro apresentou dados reais sobre as circunstâncias no ambiente de trabalho que podem levar o indivíduo ao suicídio. Entre os pontos importantes foi destacado que a desclassificação do trabalhador no ambiente de trabalho provoca sofrimento e consequentemente, o quadro depressivo. Daniela citou os Oficiais de Justiça do PJU como exemplo de um cargo sob tremenda vulnerabilidade emocional que pode ser agravado. Ainda segundo a pesquisadora, estudos apontam que o suicídio está entre as três maiores causas de morte de pessoas entre 15 e 35 anos no mundo.

Na sequência, Laene Pedro Gama falou sobre o assédio moral e as diversas faces das violências no ambiente de trabalho. Como forma de melhorar as condições do espaço de trabalho, a psicóloga indica que a coletividade e a colaboração entre todos são pontos fundamentais para que se tenha um ambiente propício para o bom andamento nas rotinas diárias de serviço. Incentivar a interação entre os sujeitos no ambiente de trabalho, é uma das medidas recomendadas. Laços sociais no trabalho são destruídos pela falta de reconhecimento.

Ao fim dos trabalhos do dia, a  fisioterapeuta Márcia Pacheco Rodrigues ministrou exercícios de relaxamento aos participantes do encontro. A ideia é que eles sejam também reproduzidos quando do retorno aos locais de trabalho.

Observatório de Saúde

Dos debates após os painéis, restou deliberado que as entidades irão trabalhar em conjunto para a criação do Observatório Nacional de Atenção Integral à Saúde dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Poder Judiciário Federal, nos Estados e MPU, construído a partir do compartilhamento de informações, estratégias, padronizações de procedimentos e linha de atuação das entidades representativas dos trabalhadores do Poder Judiciário e MPU. Além disso, as federações também irão trabalhar pela  formação do Fórum Nacional pela Saúde, Combate a Violência e ao Assédio Moral no Poder Judiciário Federal, nos estados e MPU, a fim de discutir e dar visibilidade a essa grave violência a que as categorias estão submetidas e assim potencializar ações de combate. Os fundamentos das duas instâncias foram tratados na Carta de Brasília, documento oficial oriundo do Encontro, que pode ser acessada AQUI.

Encaminhamentos

  • Estimular os sindicatos de base a fazer convênios com as Universidades Federais nos estados para realização de pesquisas com os servidores(as) do Judiciário Federal, nos estados e MPU.
  • Criação de um grupo de trabalho entre as Federações (Fenajud e Fenajufe) para elaboração do funcionamento do observatório
  • Proposta de termo/tratado de cooperação entre Entidades em defesa da saúde laboral no Judiciário:

1 – Este acordo estabelece as diretrizes de funcionamento da frente em defesa da saúde laboral no Judiciário.

2 – As Entidades irão atuar em conjunto, com agenda e atos simultâneos, em casos comuns, trazidos por cada entidade integrante da frente.

3 – Uma comissão fica responsável pela centralização da agenda e organização dos casos em banco de dados.

4 – As Entidades atuarão na forma de rateio, conforme cada missão definida de acordo com os que confirmarem participação.

5 – Cada estratégia da atuação inicial e missão será encaminhada após definição que oportunize a oitiva de todas as Entidades integrantes, indispensável a manifestação da Entidade da base onde surgiu o caso.

6 – As Entidades prestarão ajuda mútua, de natureza técnica, financeira ou estrutural, conforme demanda justificada da Entidade que necessitar, e confirmação ou rateio pelas Entidades integrantes que manifestarem possibilidade de prestar o apoio.

 

A segunda parte do I Encontro Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho pode ser assistida em nosso Canal no YouTube ou no player abaixo: