9º Congrejufe: plenária limita reeleição de diretores

A apreciação de propostas de alteração estatutária tomou parte da tarde e noite desta quinta-feira no 9º Congresso da Fenajufe, mas apenas duas foram debatidas e votadas depois de intensas discussões. Uma delas foi a limitação da reeleição de titulares de cargos na Diretoria Executiva da Fenajufe a dois mandatos.

No total há 344 propostas, mas foi acordado que apenas 7 – as mais polêmicas – serão discutidas. As demais devem ficar para Plenária Estatutária da Fenajufe.  A mesa, composta pelos diretores Cledo de Oliveira, Ramiro López e Eugênia Lacerda, a Assessoria Jurídica Nacional e a secretária política da Fenajufe, Eliane Mendes, encerrou os trabalhos por volta das 22 horas, já programando para a manhã desta sexta-feira a apreciação das outras 5 propostas.

A segunda proposta apreciada nesta quinta mudava a constituição do nome da Fenajufe, de Federação Nacional dos Trabalhadores para Federação dos Servidores Públicos do Poder Judiciário da União e do Ministério Público da União. As defesas contrária e favorável à proposta apresentaram seus argumentos, mas, na votação, não houve quórum necessário, 271 votos, para a aprovação.  

Propostas mudam composição da Fenajufe 

O terceiro dia do 9º Congresso da Fenajufe dará continuidade à apreciação e votação das propostas de alteração estatutária. Das sete consideradas polêmicas, cinco ainda serão levadas ao Plenário e tocam em questões importantes da estrutura da Federação. Uma delas se refere à forma de composição da diretoria - que hoje adota do critério da proporcionalidade qualificada – para o sistema majoritário, sendo eleitos os mais votados, e se a votação será nominal ou por chapa.

Outro conjunto de propostas incide sobre o artigo 14 do Estatuto e muda os critérios da eleição de delegados para as instâncias deliberativas da Fenajufe, incluindo a possibilidade de votação por meio eletrônico, buscando ampliar a participação de servidores.

Foto: Joana Darc Melo/Fenajufe